quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Sentimento?

    Há algum tempo que eu percebi que as pessoas tem receio em demonstrar seus sentimentos e quando fazem isso, por um motivo desconhecido, sentem-se culpadas depois! Alguns dias atrás passei por uma situação embaraçosa assim. Em um dia na escola eu resolvi me abrir com uma pessoa, eu à conhecia a pouco tempo, mas como nunca tive medo de esconder aquilo que eu sentia comecei a contar algumas coisas do meu dia-a-dia a ela e como eu me sentia em relação a isso. Uma semana depois eu descobri que esta mesma pessoa espalhou todos os meu sentimentos que confiei a ela. Quando contei isso a algumas amigas, recebi respostas do tipo "Você não deveria ter contado nada a ela, vocês não se conheciam direito." "A culpa é sua de ter contado suas coisas pra alguém que era só uma colega." "Você fala muito, deveria controlar um pouco mais seus sentimentos."
    Por alguns momentos acreditei que realmente a culpa era minha, eu não devia sair contando por ai sobre o que eu sentia, eu não devia falar tanto, já que ninguém fazia isso, eu não deveria fazer também. Mas então eu comecei a pensar, que tipo de sociedade é essa em que vivemos? Em que não podemos dizer a alguém como nos sentimos, isso é ridículo, a culpa é de quem se abre com alguém? Ou a culpa é de quem não sabe ouvir? Não consegue entender um simples gesto como este? O gesto de uma pessoa se abrir com a outra. Como pode uma sociedade achar isso normal? Natural? Fala sério!
    Chorar, nunca, sorrir, nem tanto, agir espontâneo, chama muita a atenção, agir como você mesma, não pega muito bem, maquiagem de mais é feio, sem maquiagem é pior ainda, ser normal, só de vez em quando, ser louco, jamais, fazer algo que goste, pode não agradar os outros, agradar o próximo, melhor não, dizer "
não" só para se fazer de difícil, dizer "sim", só se for na segunda vez, dizer "eu quero", mas não querer tanto, não seja como os outros, mas também não seja como você quer, agrade aos outros, faça o que os outros esperam! 
    Ah pra mim já chega dessas mesmas coisas de sempre, eu quero ser eu mesma, quero falar dos meus sentimentos sim, quero falar quando e quanto eu quiser, quem sai perdendo não sou eu que me abro e sim aquele que não quer se abrir!