domingo, 16 de abril de 2017

Eu

Essas cicatrizes
Marcam minha alma

Atravessam meu corpo
Como se não existisse nada
Além de vazio e solidão
É como se existisse um buraco
É como se existisse escuridão
Esta que sufoca meu ser
Que afoga minha essência
Esconde quem eu sou
Faz me perder
Nesse labirinto
Que eu mesma criei
Parecendo não haver
Uma saída se quer
Talvez a saída seja exposta

De fora para dentro
E em seguida
De dentro para fora
Com lágrimas que inundam 

As passagens
Afogam o que ainda está vivo

Nenhum comentário:

Postar um comentário